Congresso Técnico





ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRESCOBOL (ABRAF)

Esporte Arte

Rua Moncorvo Filho, 35, 505, Centro, Rio de Janeiro, RJ, CEP 20.211-340 – CNPJ 16.856.496/0001-30

Telefones: 21 4108-9542 / 21 98172-9142


“Esporte declarado Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial da Cidade do Rio de Janeiro”

 

1945-2015 Comemoração 70 anos de frescobol

Homenageado: Lian Pontes de Carvalho (Criador do Esporte Frescobol)



CONGRESSO TÉCNICO

(MODALIDADES DUPLAS E TRINCAS)

 

A ABRAF divulga o seu congresso técnico conforme abaixo mencionado:


1) Ataques: soma das bolas atacadas pelos dois jogadores. Somente serão considerados ataques quando a bola for impulsionada com maior intensidade de quando foi passada pelo parceiro (o atleta precisa aumentar a velocidade da bola recebida para configurar o ataque), além do claro esforço e posicionamento do atleta ao bater na bola com força e eficiência.


Nomenclatura utilizada para os ataques:


a. ATAQUE PREFERENCIAL (são os ataques realizados no lado dominante do atleta ou o lado em que ele segura a raquete).

 

b. ATAQUE NÃO PREFERENCIAL ou REVÉS ou ainda DESTREZA REVÉS (são os ataques realizados no lado NÃO dominante do atleta; o lado CONTRÁRIO em que ele segura a raquete e para fins de avaliação é considerado uma DESTREZA ou HABILIDADE desenvolvida pelo atleta).

 

c. ATAQUE ALTO ou DESTREZA ALTA (são os golpes especiais de ataques realizados por sobre o corpo do atleta, acima da altura do ombro ou da cabeça e para fins de avaliação é considerado uma DESTREZA ou HABILIDADE desenvolvida pelo atleta. Exemplo: gancho, martelo, martelo invertido, smash, chicote alto, colher alta, etc. Qualquer outro golpe, movimento que caracterize o ataque no quadrante alto por sobre o corpo receberá sua pontuação especial). O atleta não deve confundir essa habilidade ou destreza com aquele golpe alto que ele realiza na lateral do seu corpo, esse ataque se faz natural na preferencial do atleta e não pode jamais ser confundido com uma destreza alta.


Os ataques serão definidos na seguinte condição:

1) Ataque na posição preferencial = 1 ponto;

 

2) Ataque na posição não preferencial (ou revés) = 3 pontos. Limitado a 12 ataques por atleta. Os ataques que ultrapassarem os 12 previstos serão anotados na planilha como mais um ataque com valor de 1 ponto.

 

3) Ataque alto ou destreza alta = 2 pontos. Limitado a 7 ataques por atleta. Os ataques que ultrapassarem os 7 previstos serão anotados na planilha como mais um ataque com valor de 1 ponto.

 

Obs: é preciso lembrar também que todo ataque de pontuação especial, anotado como destreza ou habilidade recebe a sua pontuação específica, mas ao mesmo tempo é anotado na planilha como um ataque, perfazendo o total de ataques realizados pela equipe.

 

Observação: a pontuação estimada para as Regras ABRAF, tanto para a modalidade de duplas como de trincas constam da parte final deste documento.

 

2) Sequências: é a nota da quantidade de vezes que a sequência do jogo tenha sido interrompida, ou seja, quanto mais a bola cair no chão, menor a nota.


3) Equilíbrio Progressivo: é a divisão da quantidade de ataques do jogador que menos atacou pela quantidade de ataques do jogador que mais atacou (menor ataque ÷ maior ataque). Este quesito representa a necessidade de todos os jogadores buscarem atacar o número mais igual de bolas.


4) Intensidade: no frescobol a intensidade do jogo é a aferição do quão veloz e forte foi a apresentação da equipe, ou melhor, quão intenso foi o jogo. Essa nota se refere ao maior número de ataques realizados pela equipe durante o seu tempo de apresentação.  


Observações importantes:


1. Lembramos que um determinado golpe realizado pelo atleta pode ser considerado como toque e não como ataque, há momentos em que um jogador tenta realizar um ataque, mas não o consegue e isso é alvo da interpretação do árbitro; os árbitros ABRAF são orientados a computar o máximo de ataques, a fim de provocar menos subjetividade, porém a prerrogativa de entender como toque ou ataque pertence ao árbitro que avalia o atleta.


2. Será considerado revés a bola atacada do lado não dominante do atleta. Em caso de troca de mão na raquete e o seu consequente posicionamento do lado não dominante do atleta também será considerado revés, porém o atleta não poderá permancer com a raquete nessa posição realizando vários golpes como se fosse o seu lado dominante. O atleta que atacar a bola com as duas mãos no cabo da raquete ou mesmo usando a mão detrás da raquete terá o golpe válido como ataque de revés (desde que tenha havido força no golpe para transformá-lo em ataque e também a consequente descaracterização do movimento de defesa com duas mãos usado por muitos atletas). A ABRAF entende que os ataques realizados no revés pressupõe grande dificuldade e considera um pré-requisito para se definir um atleta em nível profissional.


3. Toda bola alta (acima do corpo do atleta a partir do ombro ou da sua cabeça) em que ele golpear a bola caracterizando um ataque vale 2 pontos em sua planilha até o limite de 7 ataques por atleta (o que ultrapassar disso segue pontuando com valor de 1 ponto por ataque) , independentemente da maneira como segure a raquete ou o golpe que ele utilize para atacar a bola, dessa forma são valorizados todos os diferentes tipos de golpes realizados pelos atletas. A ABRAF entende que atacar bolas altas é um pré-requisito para se considerar um atleta em nível profissional.


4. O atleta deverá jogar dentro da área delimitada pela fita de marcação. A área está delimitada em 8 metros, a fim de que haja maior justiça no julgamento de ataques; essa distância também visa buscar um jogo sempre o mais forte possível, além de que tal procedimento leva o atleta a ser mais rápido em recuperar as bolas dentro da área do jogo; os ataques realizados dentro dessa área serão computados normalmente, mas os atletas não poderão fixar base nessa região. Pensando no conforto do atleta a ABRAF entende como uma arena ideal aquela que possui as seguintes medidas: como dimensão mínima 15m X 10m, sendo a ideal 18m X 20m.


5. É terminantemente proibido aos atletas jogarem as raquetes para alcançar a bola, a ABRAF entende que as raquetes devem ficar todo o tempo na mão dos atletas. Tal medida visa dar segurança aos atletas, árbitros e público em geral (foram observados casos em que ao atirar a raquete o atleta atingiu seu próprio companheiro jogando na arena; em outro caso quase atingiu público presente). Com isso a ABRAF busca dar mais segurança aos eventos.


6. Não é permitido consultar a planilha durante a apresentação, somente o tempo de jogo, todo ítem avaliativo deve ser preservado mesmo porque estamos em uma competição, além do mais tal medida visa fazer com que o atleta se esmere o máximo para realizar um bom jogo e não ficar buscando saber que tipo de jogo tem de fazer, a intenção é que o jogo flua naturalmente e que os atletas apresentem ao máximo suas habilidades tanto de ataque como de defesa e por essa razão aquele que consegue preparar as melhores bolas ao seu companheiro realiza bom jogo, por isso não tomaremos como jogadas previamente preparadas e sim entenderemos como habilidade do defensor.


7. As Planilhas serão entregues no mais curto prazo possível (numa situação normal cada planilha é computada em 4 minutos, sendo assim enquanto o jogo posterior ao do atleta estiver se desenvolvendo na arena o mesmo já poderá receber sua planilha junto ao mesário. Em caso de dúvidas quanto à verificação da mesma basta consultar o Diretor Técnico da ABRAF ou o Consultor de Frescobol do evento.


8. Solicitamos aos atletas que ao receberem suas planilhas não informem seus resultados aos demais, bem como pedimos não buscar saber os resultados das demais equipes; essa solicitação tem a finalidade de manter a surpresa e expectativa de quem terá feito a melhor apresentação dentro do formato atual de disputa do frescobol de competição, ainda que os resultados estejam sendo divulgados imediatamente.


9. O árbitro central controla e comanda o jogo, a ele deve se dirigir o atleta em sua necessidade.


10. É terminantemente proibido o uso de palavrões, expressões chulas, gestos obscenos, etc.


11. Lembramos aos atletas que eles devem dirigir-se de maneira respeitosa aos árbitros e organização do evento (a não observância ao princípio da educação pode consistir em penalidade e tirar pontos da equipe, como também poderá acarretar ao atleta ou equipe as punições previstas por conduta antidesportiva), não somente para o evento, mas também para as etapas futuras de organização da ABRAF, as punições a que as equipes podem ser submetidas se referem ao período de competição desde o ínicio ao fim do evento todos estamos sujeitos aos regulamentos, normas e condutas da boa educação e do respeito ao esporte.


12. A sequência se interrompe quando a bola tocar o solo, o corpo do atleta ou qualquer outro lugar na arena ou fora desta. Quando a bola tocar a mão que segura a raquete a sequência segue normalmente. Também será permitido o chamado “bate pronto”, isto é, quando a bola tocar o solo bem junto ao atleta, de maneira praticamente imperceptível, seguirá o jogo (isso é fruto da interpretação do árbitro central e somente a ele cabe a interrupção), porém não devemos confundir a bola que toca o solo a 30cm, 40cm ou 1m, 10m do atleta para que ele continue o jogo considerando válida a sua jogada, nesses casos a sequência é interrompida.


13. É permitido um técnico ou orientador que apoie o atleta, mas precisa usar o uniforme da atividade em respeito à organização e apoiadores do evento.


14. Solicitamos aos atletas que usem, sempre que possível ou quando solicitado, o uniforme fornecido pelo patrocinador e organização, em respeito aos apoiadores e muito mais em respeito ao esporte que praticamos e filosofia parceira que anunciamos.


15. O atleta tem o direito de solicitar execução de música (caso haja disponível) ou interrupção da mesma, diminuição do volume, etc.


16. Toda saída de bola será considerada como toque, independentemente da maneira como se saia a bola. Também a saída de bola não pode ser usada para facilitar a destreza, se assim o atleta proceder a mesma não será computada.


17. Em caso de trincas o tempo de apresentação será de 9 (nove) minutos de bola viva sendo que a cada 3 minutos de jogo deverão realizar, obrigatoriamente, o rodízio do pivô (ao comando de trocar pivô, por voz, a equipe deverá fazer o rodízio de forma que todos os atletas participem da competição e demonstrem suas qualidades tanto no ataque como na defesa); a equipe que não realizar a troca do pivô ou deliberadamente ficar na quadra de jogo com esse propósito estará automaticamente eliminada da competição e a apresentação será suspensa e mesmo em caso de lesão de atleta as regras da competição deverão ser cumpridas


18. A equipe em que for aplicado W.O não marcará pontos no Ranking ABRAF.


19. O atleta após o início do jogo não poderá trocar de lado da quadra com seu companheiro.


20. Raquete e bola: a raquete de frescobol deverá ser de madeira, fibra, ou similar, podendo ser oca ou maciça e específica para a prática do nosso esporte (não será autorizado o uso de raquete de outros esportes nas competições de frescobol da Associação). Deverá ter dimensões máximas de 50 cm de comprimento, incluindo o cabo, por 25 cm de largura. O tipo de antiderrapante (overgrip ou grip) usado no cabo é de livre escolha, mediante opção do atleta, mas caso seja utilizado na empunhadura qualquer material que possa implicar acidentes ao atleta a ABRAF não autorizará esse tipo de material no cabo da raquete. A bola deverá ser de borracha e despressurizada, pesar em torno de 40g e possuir diâmetro de 5,70 cm, com circunferência de 17,70 cm. Quanto à cor, qualquer uma pode ser utilizada, a critério da equipe e/ou organização do evento. As equipes deverão entrar na quadra com pelo menos 3 (três) bolas para o seu jogo. A ABRAF disponibiliza bolas às equipes que não as tenham.


21. Todo evento ABRAF se dá mediante convite aos atletas.


22. Em nossos eventos a cobetura fotográfica, vídeos, locução e reportagem são de competência ABRAF.


23. A Comissão de Arbitragem é de inteira responsabilidade da Associação em treinar, formar e capacitar os árbitros para atuarem nos eventos ABRAF.


24. As equipes que não estiverem na quadra após 1 minuto do chamado dos árbitros estarão eliminadas do evento. Não haverá tolerância para atrasos em respeito ao público, aos demais atletas, patrocinadores e organização do evento.

 

25.O atleta que deliberadamente empunhar a raquete em seu lado contrário ao preferencial durante a sua apresentação, permanecendo com a sua raquete nessa posição durante todo o tempo ou a maioria do tempo de sua apresentação, para fins de competição, terá esse lado considerado como preferencial e naturalmente o lado oposto anotado como lado revés no julgamento de seu jogo na quadra.

 

26. Os árbitros ABRAF estão orientados para julgar a apresentação da equipe tendo a visão do jogo e não de um atleta em particular, dessa forma terá as condições necessárias para ver e reconhecer quando um atleta realizar um ataque sobre ataque, ou contra-ataque, separar os reais ataques de toques de bola em qualquer estilo de jogo que se apresente (ataque e defesa, direita/direita, esquerda/direita, etc.)

 

27. Em caso de necessidade e para que toda competição, torneio, etapa, etc., tenha o seu resultado final divulgado a ABRAF reajustará o tempo de jogo, conforme essa necessidade e de maneira que todas as categorias joguem o mesmo formato, o mesmo tempo de jogo, tal providência será utilizada, a fim de que não precisemos estender o torneio mais um dia, inclusive poderão ser validados os resultados das semifinais (ou o primeiro jogo realizado pelas equipes), essa recomendação também se faz importante, com a finalidade de que os atletas se esmerem desde o seu primeiro momento na quadra de jogo. As definições pertencem à Associação, mas, sempre que possível, serão objetos de reuniões com os atletas.

 

28. Com a finalidade de dar o melhor espetáculo ao público e abrilhantar cada evento competitivo fica definido que ao zerar a planilha de sequência o jogo será interrompido independentemente do tempo de jogo que já tenha sido jogado, essa providência visa dar o melhor ao público, dar um jogo de excelente qualidade, visto que um jogo de muitas quedas de bolas indica a necessidade de uma melhor qualificação desses atletas para a prática do frescobol de competição.

 

29. A quadra de jogo ABRAF estará sempre preparada com as melhores condições para realização da bateria, assim a equipe que entrar na quadra e INICIAR a sua apresentação, indicando condição ideal de jogo deverá fazê-la até o fim do tempo de jogo previsto, não podendo após o início da bateria por parte da arbitragem indicar condição não ideal para o prosseguimento da sua apresentação, nesse caso será considerada desistente e avaliada pelo tempo de jogo que tenha realizado.   

 

30. Todo atleta inscrito declara que:

- Está em perfeitas condições físicas e mentais para participar desta competição, isentando os organizadores e patrocinadores deste evento de quaisquer responsabilidades;

- Tem pleno conhecimento do regulamento utilizado

- Cede o direito à exploração de sua imagem (fotos, filmes e declarações), pela organização e patrocinador do evento, a título gratuito e a qualquer

 

31. Todos os casos omissos e principalmente situações especiais e suas particularidades serão resolvidos pela Comissão Organizadora (Diretoria ABRAF).


 

 

PONTUAÇÃO ESTIMADA PARA AS REGRAS ABRAF

 

MODALIDADE DUPLAS = 620 PONTOS

ATAQUES + SEQUÊNCIA + EQUILÍBRIO + INTENSIDADE

290 pontos de ataque por equipe (= 46,77%);

72 pontos por equipe de ataque revés ou destreza revés (= 11,62%);

28 pontos por equipe de ataque alto ou destreza alta (= 4,51%);

90 pontos por equipe de sequência (= 14,50%);

70 pontos por equipe de equilíbrio (= 11,30%);

70 pontos por equipe de intensidade (= 11,30%).

 

 

MODALIDADE TRINCAS = 820 PONTOS

ATAQUES + SEQUÊNCIA + EQUILÍBRIO + INTENSIDADE

420 pontos de ataque por equipe (= 51,21%);

108 pontos por equipe de ataque revés ou destreza revés (= 13,17%);

42 pontos por equipe de ataque alto ou destreza alta (= 5,12%);

80 pontos por equipe de sequência (= 9,75%);

70 pontos por equipe de equilíbrio (= 8,53%);

100 pontos por equipe de intensidade (= 12,19%).

 

* A pontuação na modalidade Trinca difere naturalmente, dada a entrada de mais um atleta na equipe e o consequente aumento de ataques da mesma.

 

Bons jogos a todos!

Associação Brasileira de Frescobol

Esporte Arte


Rio de Janeiro, RJ, 1 de dezembro de 2016.

 

“Frescobol: único esporte em que do outro lado da quadra você não tem um adversário, e sim um parceiro.”